InícioAraripina em FocoEleições 2016: campo fértil para o crescimento das oposições

Eleições 2016: campo fértil para o crescimento das oposições

Não só a presidente Dilma
Rousseff (PT) está na corda bamba este ano. Prefeitos de todo o Brasil que vão
tentar a reeleição em outubro encontram cenário adverso, com baixa arrecadação,
obras paradas ou inacabadas, promessas não cumpridas e, o mais desalentador, a
falta de uma luz no fim do túnel. Diante desse complicado enredo, 2016 torna-se
campo fértil para o crescimento das oposições. Especialistas que acompanham as
movimentações políticas apontam que, no Brasil, 60% dos prefeitos não devem se
reeleger.
O tempo é propício para
oposição justamente em cidades de médio e pequeno porte, cuja arrecadação ainda
é dependente dos repasses federais e que não têm receitas próprias. O eleitor,
nessas regiões, tende a centralizar a cobrança na figura do prefeito, ponta de
lança da gestão. O discurso, muitas vezes fácil e promissor da oposição, acaba
convencendo o votante, com o argumento de que em 2017 a situação vai melhorar,
apesar de economistas apontarem que o desfecho da crise econômica não tem data.
Com base em análises de
pesquisas pré-eleitorais, o analista político Maurício Romão avalia que a
oposição está com grande possibilidade de aumentar o número de prefeitos. Numa
breve retrospectiva, Romão recorda-se das duas últimas eleições municipais. Em
2008, diz ele, a tendência dos prefeitos era pela continuidade. Lula estava no
segundo mandato e a economia ia bem.
Logo, os repasses chegavam
aos cofres municipais e às obras eram tocadas. “Oposicionistas procuravam
localizar a eleição apontando fragilidades nos municípios e os situacionistas
queriam nacionalizá-la”, rememora. No período, 95% dos prefeitos das capitais
foram reeleitos.
Passados quatro anos, o
quadro começa a mudar e as reeleições, a despencar. Em 2012, a proporção de
candidatos reeleitos caiu para 50% nas capitais. No Recife, inclusive, após a
briga fratricida dentro do PT, que deixou o então prefeito, João da Costa (PT),
fora da disputa, o partido perdeu a prefeitura para o atual gestor Geraldo
Julio (PSB). “Apesar de ainda não terem acontecido as manifestações de 2013, as
prefeituras já enfrentavam dificuldades, mas elas ainda não estavam sendo
reverberadas”, analisa Romão.
Com mais de 41 anos de
experiência em campanhas políticas e 16 livros publicados sobre o tema, o
marquetólogo Carlos Manhanelli analisou mais de 40 pesquisas de opinião em
capitais e cidades de grande porte de todo o Brasil. Segundo ele, 60% dos
prefeitos não se reelegerão. Ele elenca dois motivos: o primeiro é o fato de as
atuais gestões serem as que tiveram menos dinheiro para fazer obras e serviços
na cidade; o segundo ponto é o desgaste da classe política. “Mas é um grande
engano para o eleitorado, porque quem assumir terá os mesmos problemas de quem
está hoje. Não depende da vontade política, mas da situação socioeconômica que
se encontra o Brasil”, alerta.
Prefeito de Cumaru, no
Agreste do Estado, e secretário geral da Confederação Nacional de Municípios,
Eduardo Tabosa (PDS), avalia o quadro financeiro como “gravíssimo” e explica a
relação entre o gestor e o eleitorado, principalmente em cidades menores. “A
população não entende esse contexto da crise. Ela entende que é Deus no céu e o
prefeito na terra para resolver os problemas”, argumenta. Por não terem receita
própria e dependerem essencialmente de repasses federais e estaduais, os municípios
menores acabam sendo os mais prejudicados, explica ele.

Responsável pelo
julgamento das contas dos municípios pernambucanos, o presidente do Tribunal de
Contas do Estado (TCE-PE), Carlos Porto, faz um alerta sobre as falsas
promessas eleitorais. “2016 será um bom ano para os (candidatos) aventureiros,
aquelas pessoas que vão chegar e prometer tudo”, avalia Porto. (JC online)
Allyne Ribeirohttps://araripinaemfoco.com
Diretora de Edição e Redação de Jornalismo
RELACIONADOS