InícioAraripina em FocoMais informações sobre caso da funcionária do BB do Recife presa na...

Mais informações sobre caso da funcionária do BB do Recife presa na Bahia que desviou mais de R$ 450 mil em bancos no Nordeste

Uma funcionária do Banco
do Brasil foi presa, na última quinta-feira (14), por investigadores do Departamento
de Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), acusada de desviar mais de R$ 450 mil de
correntistas da instituição. Rafaela de Azevedo Brito, de 28 anos, e o comparsa
Antônio Josival Sousa Magalhães, de 26 anos, fazem parte de uma quadrilha de
estelionatários, cujos integrantes são procurados pela polícia.
Segundo a delegada Glória
Isabel Santos Ramos, do DCCP, Rafaela é servidora concursada do banco há oito
anos. Ela trabalhava numa agência em Recife, em Pernambuco, mas encontrava-se
afastada de suas funções por 30 dias e respondia a um Processo Administrativo
Disciplinar (PAD), dentro da organização.
Nesse período, o banco,
por meio do seu sistema de segurança, registrou o acesso de Rafaela em contas
correntes onde, posteriormente, foram percebidos desvios de recursos. A
administração, então, decidiu afastá-la para apurar. A investigação conduzida
pelo DCCP revelou que a bancária também acessava contas de clientes utilizando
login e senha de colegas, sem que estes soubessem.
Rafaela visitou diversas
agências na Bahia, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte, onde se apresentava
como funcionária do banco e solicitava aos colegas que verificassem seu saldo.
Enquanto o servidor digitava seu login e senha, a falsária copiava os dados e
os utilizava posteriormente para desviar valores, que variavam entre R$ 30 e R$
50 mil, de cada conta.
Antônio usava a mesma
estratégia e se apresentava como funcionário utilizando um crachá falsificado,
fornecido por Rafaela. Os dois vão responder por furto mediante fraude, associação
criminosa e invasão de dispositivo informático com o objetivo de captar
informação sigilosa para desvio de recursos, com base no artigo 154 do Código
Penal.
Rafaela e Antônio seguiram
para o Núcleo de Prisão em Flagrante (NPF), na Avenida ACM. A polícia busca
agora identificar os outros quatro integrantes da quadrilha.
A fraude foi identificada
pelo Banco do Brasil em Salvador, através de procedimentos internos de
segurança, sendo prontamente comunicada às autoridades policiais. O BB
esclarece que não houve prejuízo aos clientes.
Leia
íntegra da nota.

A fraude foi identificada
pelo Banco do Brasil, através de procedimentos internos de segurança, sendo
prontamente comunicada às autoridades policiais. O BB esclarece que não houve
prejuízo a clientes.  (Via: Ascom PC /
Bocão News)
Allyne Ribeirohttps://araripinaemfoco.com
Diretora de Edição e Redação de Jornalismo
RELACIONADOS