InícioAraripina em FocoPesquisa da FIEPE revela impacto causado pelas doenças transmitidas através do mosquito...

Pesquisa da FIEPE revela impacto causado pelas doenças transmitidas através do mosquito Aedes aegypti dentro das indústrias do estado de Pernambuco

A queda na produção foi
considerada o principal impacto do mosquito transmissor da dengue, zica e
chikungunya dentro das indústrias no estado. De acordo com pesquisa de
sondagem, realizada pela Federação das Indústrias de Pernambuco (FIEPE), 42,3%
dos gestores citaram redução na produtividade no período que compreende os
meses de janeiro e fevereiro de 2016.
Das indústrias participantes da coleta, cerca
de 80% citaram afastamento de empregados por conta de doenças transmitidas pelo
mosquito do Aedes aegypti. A realocação de colaboradores foi indicada por 22%
dos entrevistados. Apenas 6,5% dos executivos optaram por hora extra aos
funcionários e as novas contratações ficaram com apenas 0,8%.
 “A epidemia instalada em Pernambuco traz
impactos negativos para as empresas industriais, com o aumento do absenteísmo
nos parques fabricas. Para isso, realizamos a pesquisa de sondagem que vem
colaborar com as campanhas e medidas que o Sistema FIEPE vem tomando para
conter o avanço das doenças transmitidas pelo mosquito e que atinge diversas
indústrias no nosso Estado”, afirma o presidente da FIEPE, Jorge Côrte Real.
O número de empresas
impactadas pelo mosquito Aedes aegypti em seu quadro de funcionários na Região
Metropolitana do Recife foi de 92%, índice superior à média do estado. “Isso se
deve ao fato da RMR possuir o maior percentual de indústrias que participaram
da sondagem. Entretanto, o impacto se limitou em 42,7% do percentual do quadro
funcional compreendido entre 1% a 5% do total”, ressalta o coordenador da
pesquisa e gerente do Núcleo de Economia e Negócios Internacionais da FIEPE,
Thobias Silva.    
Das  empresas no Agreste, 87,50% tiveram parte do
seu quadro de funcionários afetado. Sendo 20% delas com impacto de mais de 50%
no quadro funcional.  Nesta região os
principais impactos se concentram em “Queda de Produção” com 62,5%. No Sertão
do São Francisco apenas 5,56%, dos gestores informou afastamento de empregados.
O menor número dentre as regiões pesquisadas. O estudo revelou que dado o
pequeno impacto na região, a única medida adotada por 100% das empresas
entrevistadas foi “Realocação de pessoal”. 
No Sertão do Araripe 81,82% das empresas tiveram parte do seu quadro de
funcionários afetados. Dentre estas indústrias a maior parte foram de micro e
pequeno porte, somando 72,70% da amostra. A pesquisa apontou que as principais
consequências foram na “Queda de Produção” com 54,5% e “Realocação de Pessoal”
com 18,2%.

Metodologia – Cerca de 144
indústrias participaram do estudo, sendo 52% na Região Metropolitana, 28% no
Agreste, 12% no Sertão do São Francisco e os outros 8% restantes, no Sertão do
Araripe.  Sobre o perfil das empresas
onde foram captadas as informações, 16% eram de micro e 34% pequenas empresas,
seguido de 39% média e 11% grande empresa, segundo critério por número de
funcionários e/ou faturamento bruto anual.
Assessoria de comunicação FIEPE Araripina
Allyne Ribeirohttps://araripinaemfoco.com
Diretora de Edição e Redação de Jornalismo
RELACIONADOS